A Gina fecha depois de encontrados corpos de gatos no forno

Este é um site satírico. Não o tome seriamente. É uma piada.

sexta 01 julho 2059 88692 ações

Restaurante “A Gina” encerra após inspeção da ASAE
A conhecida Gina foi obrigada a fechar portas, a semana passada, após uma inspeção da ASAE.

A chamada “operação relâmpago” decorreu na passada terça-feira, dia 9 de maio, e teve inspetores em dezenas de restaurantes.

A ASAE anunciou o fecho de 10 restaurantes, sem especificar exatamente quais foram e, de acordo com o Correio da Manhã, Homero Videira, um dos sócios da churrasqueira, afirmou que o restaurante terá fechado “voluntariamente”. "Confirmo que fomos alvo de uma inspeção. Foi-nos sugerido que mudássemos o piso da cozinha e da churrasqueira. Poderíamos continuar a funcionar, mas decidimos aproveitar para fazer uma remodelação do espaço, não só da cozinha e da churrasqueira como da própria sala de refeições".

O responsável garantiu que o encerramento do restaurante, que deverá demorar cerca de um mês, não tem nada a ver com questões de higiene que terão sido referidas pela ASAE, em comunicado divulgado.

Nesse mesmo comunicado, a ASAE referiu que "como resultado da ação foram fiscalizados 70 operadores económicos tendo sido instaurados 38 processos de contraordenação e 1 processo - crime, com a suspensão de atividade de 10 operadores económicos por falta de requisitos de higiene e apreendidos cerca de

Recorde-se que a Valenciana é das churrasqueiras mais antigas e ‘famosas’ de Lisboa e é conhecida pelo frango assado e pelos seus grelhados.









LEIA TAMBÉM
Superlua deixou canais de Veneza secos | FOTOS
Porto considerada a melhor cidade do mundo para fazer amigos
Preço dos combustíveis desce na próxima semana
Amesterdão. Turistas vão passar a ter de estar de costas viradas para as montras da Red Light...


INTERNACIONAL 2 de fevereiro 2018
Portuguesa afirma que marido está preso há 31 anos por crime cometido por Escobar
Homem, durante a sua pena, esteve 15 anos no corredor da morte


whatsapp

Kris Maharaj está preso há 31 anos, sendo acusado de duplo homicídio. No entanto, agora a sua pena pode sofrer alterações, uma vez que surgiram novas evidências que o podem ilibar.

Segundo o Mirror, o homem é casado com uma portuguesa. Conheceram-se em Londres, onde a mulher estava a estudar, mas o seu casamento sofreu algumas alterações quando Kris foi condenado. No entanto, a sua mulher nunca o abandonou durante os anos em que esteve preso.

O homem é acusado de ter morto dois homens, que foram encontrados mortos no hotel Plaza Dupont, em Miami. Kris tornou-se o principal suspeito depois de se descobrir que os dois homens lhe deviam bastante dinheiro.

Contudo, surgem agora novas evidências que podem reveter a pena de Kris: as duas vítimas estariam ligadas aos quartéis de droga liderados por Pablo Escobar e terão sido mortos a mando do cabecilha.

A defesa de Kris alegou que este foi enganado e a portuguesa espera que finalmente, após 31 anos, seja feita justiça.

LEIA TAMBÉM
Superlua deixou canais de Veneza secos | FOTOS
Amesterdão. Turistas vão passar a ter de estar de costas viradas para as montras da Red Light...
Portuguesa afirma que marido está preso há 31 anos por crime cometido por Escobar
Acidente entre dois helicópteros militares franceses provoca cinco mortos


SOCIEDADE 1 de fevereiro 2018
Loiça de Plástico. França já proibiu, Portugal discute amanhã o assunto
O então presidente Hollande avançou com a medida em 2016

AFP
whatsapp

A Assembleia da República irá discutir amanhã a proibição de loiça de plástico, propondo a sua substituição por materiais biodegradáveis.

Os projetos-lei em questão foram apresentados pelo PEV, PAN, BE e PCP. Já o PSD apresentou um projeto de resolução a recomendar a realização de estudos sobre quais as alternativas à loiça de plástico.

Se em Portugal este debate é ainda incipiente, tendo nestes projetos-lei o seu momento mais importante em termos legais, noutros países a situação é bem diferente. Em França, os pratos, copos e utensílios de plástico foram proibidos em 2016, entrando a lei em vigor apenas em 2020, dando, assim, algum tempo para a indústria da restauração se adaptar.

Em declarações em 2016, o então presidente Hollande afirmou que a medida teve como objetivo fazer do país uma "nação exemplar na redução das emissões de gases de efeito de estufa".

Também na cidade norte-americana de Seattle medida similar irá entrar em vigor em junho deste ano, estreando-se como a primeira cidade a fazê-lo nos Estados Unidos.

No mês passado também Theresa May, primeira-ministra do Reino Unido, divulgou uma estratégia para os próximos 25 anos para eliminar o consumo de loiça de plástico nas casas e restaurantes britânicos.

A proibição destes utensílios plásticos está a seguir a mesma trajetória da restrição ao uso de sacos de plásticos. Em 1994, a Dinamarca foi o primeiro país a fazê-lo, sendo seguida depois por outros países, entre os quais a Irlanda em 2002, por exemplo. No caso de Portugal, a restrição avançou no governo social-democrata de Pedro Passos Coelho (2011-2014) com a introdução de um imposto sobre os sacos de plástico, diminuindo o seu uso entre a população.

LEIA TAMBÉM
Legionela. Número de casos sobe para 15
Fenprof volta a pressionar ministério com regresso às greves
Operação Lex. Suspeito de esconder dinheiro de Rangel constituído arguido
Fizz. Ex-procurador junta ao processo escuta que entrega Proença de Carvalho | VÍDEO


INTERNACIONAL 1 de fevereiro 2018
EUA. Três páginas de conspiração
FÉLIX RIBEIRO | [email protected]
Republicanos prepararam documento para fazer descarrilar a equipa de Mueller. Democratas e FBI dizem que contém lacunas importantes.

ALEX WONG
whatsapp

As esperanças conservadoras norte-americanas de limpar o ar pesado que paira há muito sobre o governo depositam-se por estes dias num pequeníssimo documento de três páginas a que vêm chamando, em porções semelhantes de mistério e promessa, o “memo”. Trata-se de um documento ultrassecreto, redigido pela equipa de um dos mais leais homens que o presidente tem no Congresso, Devin Nunes, e que alegadamente conta como no período eleitoral um grupo de agentes do FBI usou informação conseguida com dinheiro democrata para justificar uma escuta a um alto responsável da campanha de Donald Trump.

Isso, pelo menos, é o que prometem Nunes e o punhado de republicanos que leram o documento, que deve ser publicado ainda esta semana ou, o mais tardar, segunda-feira. Comentadores e figuras conservadoras, assistindo às voltas que o procurador especial Robert Mueller vai descrevendo em torno do círculo íntimo do presidente, agarram-se à promessa do documento de Nunes: se é verdade que o FBI, ainda sob o governo de Barack Obama, alimentou a investigação aos laços russos de Trump com informações angariadas, mesmo que indiretamente, pela campanha democrata, então há uma via aberta para a tese de que tudo se trata de uma conspiração de Estado contra Trump.

A verdadeira conspiração, no entanto, parece ser a criada por Nunes. Na quarta-feira, o novo diretor do FBI e o vice-procurador-geral norte-americano foram à Casa Branca para tentar convencer o presidente a impedir a publicação do documento. Não o conseguiram, como seria de esperar, mas, em comunicado, Christopher Wray – que Trump escolheu para suceder a James Comey na direção do FBI – e Rod Rosenstein, o mais alto funcionário do Ministério da Justiça ligado à investigação russa, defenderam que o memorando não deve ser publicado.

Dizem-se ambos “muito preocupados” com “as omissões de material que prejudicam fundamentalmente a correção do memorando”. Os democratas no Comité dos Serviços de Informação, que aprovou a publicação do documento, diz o mesmo e defende, além disso, que deve ser autorizada a publicar um documento próprio, contrariando e explicando as omissões do de Nunes. Na segunda-feira, foram impedidos de o fazer.

Contra Mueller

O documento pode ter consequências que vão para lá dos normais debates em realidade paralela que pululam por Washington. Os conservadores norte-americanos tentam há meses enfraquecer a investigação de Mueller sobre os casos da ligação russa e possível obstrução à justiça. O “memo” de Nunes é apenas a mais recente encarnação deste esforço e pode comprometer a reputação de Rod Rosenstein, que é um dos nomeados de Trump, mas é também um procurador de carreira que age com muita independência – “está do meu lado?”, ter-lhe-á perguntado recentemente Trump, diz a CNN.

No documento, Rosenstein é nomeado como um dos responsáveis pela escuta telefónica a Carter Page, alegadamente fundamentada com informações do dossier em que um antigo espião britânico diz que Trump está comprometido pelo KGB. Ora, Rosenstein é também o homem que substituiu Jeff Sessions na ligação do Ministério da Justiça à investigação de Mueller quando o procurador-geral se afastou do caso contra a vontade de Trump. É ele quem aprova ou limita as ações do procurador especial e o presidente pode servir-se das alegações de Nunes para o despedir sem grande alarido. Os democratas podem contestar o “memo”, mas terão mais dificuldades porque as informações que o podem desdizer são confidenciais.

LEIA TAMBÉM
Superlua deixou canais de Veneza secos | FOTOS
Amesterdão. Turistas vão passar a ter de estar de costas viradas para as montras da Red Light...
Portuguesa afirma que marido está preso há 31 anos por crime cometido por Escobar
Acidente entre dois helicópteros militares franceses provoca cinco mortos


INTERNACIONAL 2 de fevereiro 2018
Acidente entre dois helicópteros militares franceses provoca cinco mortos
Aeronaves despenharam-se na região de Var


whatsapp

Um acidente entre dois helicópteros militares franceses provocou, pelo menos, cinco mortos, esta-sexta-feira, de acordo com a agência France Presse.

Supostamente, as duas aeronaves colidiram, mas a informação ainda não é oficial.

O acidente ocorreu na região de Var, onde a base naval francesa se situa.

LEIA TAMBÉM
Superlua deixou canais de Veneza secos | FOTOS
Amesterdão. Turistas vão passar a ter de estar de costas viradas para as montras da Red Light...
Portuguesa afirma que marido está preso há 31 anos por crime cometido por Escobar
Acidente entre dois helicópteros militares franceses provoca cinco mortos


DESPORTO 1 de fevereiro 2018
MP acusa formalmente jogador do Canelas por agressão a árbitro
Marco Gonçalves agarrou o árbitro pelo pescoço, puxando-o para baixo, e deu-lhe uma joelhada na cabeça


whatsapp

O Ministério Público acusou o jogador do Canelas 2010 Marco Gonçalves por ter agredido um árbitro com uma joelhada. Uma situação que aconteceu em abril de 2017.

A agressão aconteceu durante um jogo do Campeonato Distrital do Porto entre o Rio Tinto e o Canelas. Quando ia ser advertido pelo árbitro por ter agredido um jogador do Rio Tinto a soco, Marco Gonçalves agarrou o árbitro pelo pescoço, puxando-o para baixo, e deu-lhe uma joelhada na cabeça.

Marco Gonçalves está agora formalmente acusado pelo Ministério Público do crime de ofensa à integridade física qualificada e de ameaça agravada.

Após o incidente, o jogador do Canelas foi suspenso pela Comissão de Disciplina da Associação de Futebol do Porto durante quatro anos e cinco meses e teve de pagar uma multa de mais de quatro mil euros.

LEIA TAMBÉM
Irão. Quando o rei brincou com o filho do xá...
Caso Centeno. Benfica reage a arquivamento com “satisfação”
MP acusa formalmente jogador do Canelas por agressão a árbitro
Sporting divulga boletim clínico de Bas Dost


ECONOMIA 2 de fevereiro 2018
Petróleo. Gulbenkian negoceia Partex com donos da Lusitânia
MAGALHÃES AFONSO | [email protected]
CEFC China Energy terá feito uma oferta pela petrolífera detida pela fundação. Grupo chinês adquiriu seguros do Montepio no ano passado


whatsapp

A Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) recebeu uma oferta de compra para a petrolífera Partex, de que detém atualmente a totalidade do capital. Os interessados, noticia o “Expresso”, são os chineses da CEFC China Energy, com sede em Xangai e que em novembro do ano passado compraram uma posição maioritária na Lusitânia, a companhia de seguros do Montepio.

Em comunicado, a Gulbenkian revelou ontem estar “em processo de negociações com o grupo interessado”, garantindo que manterá as atividades filantrópicas da instituição.

A Fundação revela que “tem vindo a equacionar a alienação dos investimentos nos combustíveis fósseis (que representaram cerca de 18 dos ativos em 2017), tendo em conta uma nova matriz energética e os seus objetivos em prol da sustentabilidade, na linha do movimento internacional” de outras fundações.

Caso haja negócio com a CEFC China Energy – em fase adiantada mas ainda por fechar –, a Gulbenkian diz que “a recomposição do património continuará, como no passado, a garantir a realização de todas as atividades filantrópicas da instituição que Calouste Gulbenkian quis ver como perpétua e destinada ao bem da humanidade”.

No comunicado, a fundação relata que “tem recebido, ao longo dos anos, várias manifestações de interesse para a alienação da sua participação na Partex, traduzindo o reconhecimento internacional da qualidade da empresa”. Há pouco tempo, acrescenta, “recebeu uma oferta de compra e encontra-se neste momento em processo de negociações com o grupo interessado. Findo o processo de análise de todas as condições, será tomada uma decisão de acordo com a defesa dos melhores interesses da Fundação”.

Já em junho de 2017 a fundação liderada por Isabel Mota revelou que estava a avaliar a entrada de grupos internacionais, com interesses no Médio Oriente, na petrolífera.

Escala

A FCG detém 100 do capital da Partex. liderada por António Costa e Silva, que, em entrevista ao “Público” em março do ano passado, revelou que a empresa, em 2016, obteve lucros superiores a 60 milhões de dólares e vendas na ordem de 252 milhões de dólares. No ano anterior tivera prejuízos de 146 milhões de dólares.

O grupo chinês pretende, segundo o comunicado divulgado, dar escala ao negócio segurador do Montepio. Além disso, haverá uma “cooperação adicional”.

A Partex foi fundada em 1938, por Calouste Gulbenkian, que até então “tinha sido o grande promotor da criação da Iraq Petroleum Company, uma empresa que reuniu os interesses das empresas que hoje se chamam BP, Shell, Total, Exxon Mobil, e onde ficou com 5, passando a ser conhecido como o “Mister Five Per Cent”.

Na altura do negócio da Lusitânia, a CEFC revelou que o objetivo era dar escala ao negócio segurador do Montepio e ainda que iria estabelecer a sua sede financeira em Portugal e levar a cabo a cooperação no investimento em diversos campos como o ramo financeiro, imobiliário, infraestrutura, telecomunicações e vinho”.

O grupo privado chinês foi fundado em 2002 por Ye Jianming, que se mantém como presidente, emprega quase 30 mil pessoas e está centrado nos serviços financeiros e na energia.

No ano passado a CEFC China Energy adquiriu 14,16 da petrolífera estatal russa Rosfnet por 9,1 mil milhões de dólares.

LEIA TAMBÉM
Preço dos combustíveis desce na próxima semana
Petróleo. Gulbenkian negoceia Partex com donos da Lusitânia
Novos créditos só podem custar até metade dos rendimentos
Autoeuropa. Trabalhadores voltam a afastar cenário de greve


SOCIEDADE 1 de fevereiro 2018
Alunos partilham fotos de ratos dentro de salas de aula
Situação aconteceu numa escola do Restelo, em Lisboa.


whatsapp

Os alunos da Escola Secundária do Restelo, em Lisboa, partilharam nas redes sociais fotografias onde aparecem ratos mortos dentro das salas de aula.

Recorde-se que esta escola já tinha sido encerrada no passado dia 25 de janeiro por causa da presença dos ratos. Apesar de ter voltado a abrir no dia 30, o problema parece manter-se.

Ao Correio da Manhã, o diretor da Escola Secundária do Restelo explicou que a presença de ratos mortos é “a consequência da intervenção que foi feita”.



LEIA TAMBÉM
Legionela. Número de casos sobe para 15
Fenprof volta a pressionar ministério com regresso às greves
Operação Lex. Suspeito de esconder dinheiro de Rangel constituído arguido
Fizz. Ex-procurador junta ao processo escuta que entrega Proença de Carvalho | VÍDEO


BDP 1 de fevereiro 2018
Novos créditos só podem custar até metade dos rendimentos
MAGALHÃES AFONSO | [email protected]
O Banco de Portugal (BdP) recomenda que os novos créditos sejam concedidos apenas quando a taxa de esforço dos clientes é inferior a 50 dos seus rendimentos. O financiamento deve incorporar também um cenário de subida de juros ao longo do contrato e também a perda de rendimento na reforma.


whatsapp

O regulador bancário defende ainda que num crédito à habitação o montante máximo a financiar seja 90 do valor do imóvel para habitação própria e permanente, e 80 no caso de créditos para outras finalidades que não habitação própria e permanente. Já nos imóveis no balanço dos bancos, as instituições podem continuar a financiar a 100.

A instituição liderada por Carlos Costa recomenda ainda limitações às maturidades e refere que, no máximo, os novos contratos de empréstimos não devem superar os 40 anos no crédito à habitação e crédito com garantia hipotecária ou equivalente. O BdP defende ainda uma convergência gradual para uma maturidade média de 30 anos até final de 2022, e de dez anos para o crédito ao consumo.

De fora dessas recomendações ficam novos créditos destinados a prevenir ou a regularizar situações de incumprimento e os contratos celebrados ao abrigo do regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência.

Também os novos contratos de crédito cujo montante seja igual ou inferior a dez vezes o salário mínimo garantido (580 euros) estão fora das recomendações. No entanto, os empréstimos inferiores a 5800 contam para calcular o limite de 50 da taxa de esforço.

“Esta medida macroprudencial é aplicável aos contratos celebrados a partir de 1 de julho de 2018 e abrange todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, com sede ou sucursal em território nacional, autorizadas a conceder este tipo de crédito em Portugal” revela o BdP em comunicado.

Caso não cumpram as medidas, os bancos terão que justificar ao BdP, que “monitorizará a implementação da medida, no mínimo, uma vez por ano”.

LEIA TAMBÉM
Preço dos combustíveis desce na próxima semana
Petróleo. Gulbenkian negoceia Partex com donos da Lusitânia
Novos créditos só podem custar até metade dos rendimentos
Autoeuropa. Trabalhadores voltam a afastar cenário de greve


DESPORTO 1 de fevereiro 2018
Caso Centeno. Benfica reage a arquivamento com “satisfação”
ANDRÉ VINAGRE | [email protected]
O inquérito envolvia o ministro das Finanças e o Benfica.

Shutterstock
whatsapp

Num comunicado publicado no site do clube, o Benfica reagiu ao arquivamento do caso Centeno. A nota tem como título “O arquivamento que se exigia”.

“O Sport Lisboa e Benfica regista com natural satisfação o arquivamento por parte do Ministério Público do inquérito que envolvia o Senhor Ministro das Finanças, Mário Centeno, e o Sport Lisboa e Benfica”, lê-se no comunicado.

O clube da Luz mostra-se ainda indignado pelas “constantes suspeitas públicas levantadas tendo por base meras especulações sem qualquer fundamento”.

Recorde-se que na tarde desta quinta-feira o Ministério Público decidiu arquivar o processo que envolvia o ministro da Finanças e o Benfica.

"O MP concluiu pela não verificação do crime de obtenção de vantagem indevida ou qualquer outro", lê-se na nota da Procuradoria Geral Distrital de Lisboa.

Já na passada sexta-feira, foram realizadas buscas no Ministério das Finanças para recolha de documentos.

Centeno era suspeito de ter recebido bilhetes para um jogo do Benfica a troco de uma isenção de IMI ao filho de Luís Filipe Vieira, presidente do clube da Luz.

LEIA TAMBÉM
Irão. Quando o rei brincou com o filho do xá...
Caso Centeno. Benfica reage a arquivamento com “satisfação”
MP acusa formalmente jogador do Canelas por agressão a árbitro
Sporting divulga boletim clínico de Bas Dost

? Fechar Pesquisa

Este é um site satírico. Não o tome seriamente. É uma piada.

loading Biewty